Notícias

Vírus HIV: a importância clínica


 

Desde que a síndrome de imunodeficiência adquirida (AIDS) foi descrita pela primeira vez em 1981, a infecção com o vírus da imunodeficiência humana (HIV) tornou-se uma epidemia global. 

Embora os usuários de drogas intravenosas, hemofílicos, fetos de mães contaminadas e receptores de transfusão constituam grupos de riscos bem caracterizados, a transmissão sexual (homossexual e heterossexual) é responsável pela maioria dos casos de infecção entre adultos em todo o mundo.

O HIV é um vírus com genoma RNA, da família Lentiviridae. Pertence ao grupo dos retrovírus não-citopáticos e não-oncogênicos que necessitam, para multiplicar-se, de uma enzima denominada transcriptase reversa, responsável pela transcrição do RNAviral para uma cópia DNA, que pode então se integrar ao genoma do hospedeiro. O virion do HIV-1 é cilíndrico, circundado por um envelope lipídico. Seu genoma RNA contém 10.000 bases e é caracterizado pela presença de duas LTRs (Long Terminal Repeats) e nove regiões, três delas codificadoras de proteínas (gag, pol e env) e outras seis reguladoras (tat, rev, nef, vpv, vpr, vif). As regiões do gag, pol e env codificam as proteínas e glicoproteínas p-24, p17, gp-120, gp41 e as enzimas transcriptase reversa, proteases e integrases.

Existem dois tipos de HIV, denominados HIV-1 e HIV-2. A homologia genética observada nos genomas provirais dos tipos é de aproximadamente 40-45%, o que determina a codificação e síntese de diversos produtos gênicos semelhantes. Este fato justifica certa taxa de sororreatividade cruzada entre ambos, observada nos testes sorológicos diagnósticos.

Têm sido descritas variantes genômicas (subtipos) do HIV-1 e HIV-2.

Assim, os isolados de HIV-1 são classificados em dois grupos : M (major) e O (outlier), com variabilidade genética de até 30% no segmento env. No grupo M identificam-se nove subtipos (A, B, C, D, E, F, G, H, e I) e no grupo O apenas um. Em relação ao HIV-2 descrevem-se cinco subtipos (A, B, C, D, e E).

O Imuno-Rápido HIV-1 e 2 utiliza como reagente de captura, imobilizado na placa teste, proteínas recombinantes do HIV-1, correspondente as regiões imunodominantes da gp-41, mais uma epítope correspondente a proteína gp-36 do HIV-2.

 

Desde que a síndrome de imunodeficiência adquirida (AIDS) foi descrita pela primeira vez em 1981, a infecção com o vírus da imunodeficiência humana (HIV) tornou-se uma epidemia global.

Embora os usuários de drogas intravenosas, hemofílicos, fetos de mães contaminadas e receptores de transfusão constituam grupos de riscos bem caracterizados, a transmissão sexual (homossexual e heterossexual) é responsável pela maioria dos casos de infecção

entre adultos em todo o mundo.

O HIV é um vírus com genoma RNA, da família Lentiviridae. Pertence ao grupo dos retrovírus não-citopáticos e não-oncogênicos que necessitam, para multiplicar-se, de uma enzima denominada transcriptase reversa, responsável pela transcrição do RNAviral para

uma cópia DNA, que pode então se integrar ao genoma do hospedeiro. O virion do HIV-1 é cilíndrico, circundado por um envelope lipídico. Seu genoma RNA contém 10.000 bases e é

caracterizado pela presença de duas LTRs (Long Terminal Repeats) e nove regiões, três delas codificadoras de proteínas (gag, pol e env) e outras seis reguladoras (tat, rev, nef, vpv, vpr, vif). As regiões do gag, pol e env codificam as proteínas e glicoproteínas p-24, p17, gp-

120, gp41 e as enzimas transcriptase reversa, proteases e integrases.

Existem dois tipos de HIV, denominados HIV-1 e HIV-2. A homologia genética observada nos genomas provirais dos tipos é de aproximadamente 40-45%, o que determina a codificação e síntese de diversos produtos gênicos semelhantes. Este fato justifica certa

taxa de sororreatividade cruzada entre ambos, observada nos testes

sorológicos diagnósticos.

Têm sido descritas variantes genômicas (subtipos) do HIV-1 e HIV-2.

Assim, os isolados de HIV-1 são classificados em dois grupos : M (major) e O (outlier), com variabilidade genética de até 30% no segmento env. No grupo M identificam-se nove subtipos (A, B, C, D, E, F, G, H, e I) e no grupo O apenas um. Em relação ao HIV-2 descrevem-se cinco subtipos (A, B, C, D, e E).

O Imuno-Rápido HIV-1 e 2 utiliza como reagente de captura, imobilizado na placa teste, proteínas recombinantes do HIV-1, correspondente as regiões imunodominantes da gp-41, mais uma epítope correspondente a proteína gp-36 do HIV-2.



REDES SOCIAIS

Facebook: curta o nosso perfil e acompanhe as novidades.
Twitter: siga o nosso perfil e acompanhe as novidades.

Compartilhar esta notícia